São joão da Vila

Junho é o mês dos Santos Populares: Santo António a 13, São João a 24 e São Pedro a 29.

Dos Santos Populares, S. João Baptista é o que mais se festeja na Europa – João , Jean, Joan, John, Sean, Ivan, consoante o país onde se festeja – e, entre a enorme lista das tradições populares é, sem dúvida, a devoção muito especial ao São João da Vila que enche a alma dos vilafranquenses, na noite de 24 de Junho.

Em nenhum outro lugar deste arquipélago é festejado o S. João Baptista com mais ardor e alegria.

É de destacar o esforço, a dedicação e o bairrismo dos vilafranquenses envolvidos neste evento, desde a organização à coreografia e confecção de pendões e trajes típicos, o que tem contribuído, ao longo dos anos, para o enorme sucesso do S. João da Vila.

O Rev.mo Padre Manuel Ernesto Ferreira escreveu que:

Duas noites há no ano
Que regalam o coração:
É a noite do Natal
E a noite de São João.

Na noite de 23 para 24 de Junho todos os caminhos vêm dar a Vila Franca do Campo. O São João da Vila é já parte integrante da identidade Vilafranquense e até da Micaelense.

Para os mais velhos, a memória da noite de São João é rodeada de românticos nevoeiros, das sortes das donzelas casadoiras, das fontes enfeitadas em louvor da água benta, das fogueiras e do Junho florido, reinadio e festeiro de Armando Côrtes-Rodrigues.

Esta festa popular reflecte ainda hoje a sua origem pagã – Litha – ou solstício de Verão. Nesta fase da roda do ano, envolta numa infinidade de lendas e mitos, colhiam-se ervas mágicas para a purificação e a garantia de realização de todos os desejos, como um amor feliz e um casamento próximo. Pulava-se uma grande fogueira de gravetos de abeto, carvalho e mais tarde louro para afastar os infortúnios.

Aos rituais pagãos, a cristianização associou O Baptista, o apóstolo que baptizou Jesus nas águas do rio Jordão. São João pertenceria para sempre ao povo, vivendo a sua natureza todos os anos por uma noite e um dia.

A tradição do São João da Vila é riquíssima. Desde os folguedos do passado na Lagoa do Congro, na Vila e no Ilhéu, das bandas de música que tocavam madrugada adentro nas torres da Matriz e da Misericórdia, à reconstrução da sua Capela na Ribeira Seca, o eterno jovem João Baptista envolve hoje todo o concelho numa explosão de arcos, balões, cantigas, cheiro a sardinhas assadas e às flores em coração nos fontenários, varandas decoradas, tendo ao centro um São João menino e meigo, carregando um cordeiro nos braços.

Das festas de rua d`outrora, o São João amigo das moças foi ganhando mais dinamismo e adesão com jogos tradicionais, actividades lúdicas e desportivas e outras iniciativas. Mas o mais marcante da noite é o desfile das Marchas. Foram tantas as que aqueceram o Campo de Jogos Municipal da Mãe de Deus e percorreram as ruas desde Junho de 1968. Todos os anos nos deliciamos com novas marchas. A alegria percorre-nos as veias, anima-nos o espírito. Apetece marchar também, rua fora, por entre corpos frescos de primaveras, saias esvoaçantes guardadas pelos moços de eterna juventude, sob arcos e balões, embalados por músicas e letras em segredo…Como diz Fernando Micael Pereira: esta é uma festa de aproximação e familiaridade, um retorno sempre igual, sempre diferente.

A noite de 23 para 24 de Junho é considerada santa, onde tudo é benzido, pelo sereno de S. João, num clima de crendices.

É uma noite em que todos os sonhos são “possíveis”.

A devoção ao S. João da Vila mantém a mesma pujança de tempos mais remotos na Antiga Capital, sem deixar de reflectir a mensagem deixada pelo testemunho do santo, o São João Bíblico.

O santo precursor de Cristo é um dos mais fortes emblemas do concelho e o seu dia de nascimento (24 de Junho) foi decretado feriado municipal.

O povo de Vila Franca do Campo ainda conserva, com toda a fidelidade, esta tradição legada pela crença dos nossos avós.

É manifestamente uma festa do povo para o povo. Fogueiras, sardinhas assadas, marchas pelas ruas e versos populares: é assim a tradição vilafranquense.

Alguns capítulos desta obra inédita merecem destaque, nomeadamende:

- O S. João bíblico

- O S. João na borda da lagoa do Congro

- O dia 24 de Junho decretado feriado municipal

- As sortes de S. João

- Superstições e usos

- Fogueiras de S. João

- As primeiras marchas do S. João da Vila

- As verbenas no Campo de Jogos Municipal

- Manuel Soares Ferreira

- As bodas de prata do S. João da Vila

- O desfile das marchas

- O S. João do Teatro

- O S. João do Poço Largo

- O arraial

- O S. João da Carreira

- Reconstrução da Ermida de S. João

É este mundo de alegria, cor, juventude, convívio, euforia, superstições e bairrismo…que se pretende desvendar neste trabalho.